O Manifesto Thule-Português

O Manifesto Thule

Ontem – Hoje – Amanhã 

Sociedade filosófica Thule

 

Orientações e estatutos:

Princípios Elementares:

Unidade através da diversidade, e o direito fundamental adquirido para a diversidade! Só mantendo a diversidade dos diferentes tipos de pessoas, nações, tribos, clãs, línguas, dialetos e suas múltiplas formas de manifestação da cultura, nós somos realmente humanos, portanto, de acordo com a criação original como um todo homogêneo e querido por Deus. Pois não existe um homem singular a ponto de estar totalmente só, mas que, inevitavelmente, está inserido em uma sociedade humana de troca de conhecimentos e aprendizado. O homem nunca é o mesmo - pois muito variam as linhas de pensamento e sua própria História, individualmente no pensamento, na compreensão do mundo e na interpretação da sociedade, de seus hábitos culturais e das comunidades humanas.


· A missão sagrada. Vemos a diversidade de todos os seres vivos como uma gama de dons de poderes divinos, é missão da Nova filosofia Thule, preservar e proteger essa visão resultante de todas as adversidades da sociedade moderna. 
A Nova filosofia da Thule não tem nada a ver com racismo ou preconceito, mas com a aceitação e tolerância de cada ser a sua maneira, de volta a seu destino original. A proteção da maravilhosa criação com que Deus nos presenteou, e a zelar para fazer o trabalho da Sociedade filosófica Thule uma missão sagrada. Em adição, esta missão tem um caráter sagrado e as posições dos membros da sociedade Thule como guerreiros espirituais divinos contra os “contra-desenvolvimentistas” que fomentam a criação de gangues, manipulado e se multiplicando as beligerâncias.

 

· Os Inimigos. Toda a maravilha da arte e das forças da Mãe natureza, suas competências e aspirações de forma consciente e inconsciente, dada a diversidade da própria natureza, Advertem ao homem evidenciando sua destruição, pois o aniquilamento da natureza irá dizimar o ser humano. Discriminar essa manipulação para que tal aniquilamento não ocorra é ao mesmo tempo aceitar a interferência da criação divina em seu alerta e exercitar o direito de detectar e expor os responsáveis por essa destruição, despojando-os de seus esconderijos e expô-los ao público.


· Evolução e maior desenvolvimento através de regulamentação. Estamos conscientes que as etnias humanas nunca permaneceram longos períodos homogêneas. Confusão sempre existiu e continuará existindo no decorrer do desenvolvimento da evolução ofertada para todos os seres vivos. Oferece, assim, para uma vida futura, o mundo e o desenvolvimento humano
de forma natural, porque o criativo caráter espiritual-cultural. Na medida em que a criação Divina não está terminada e aguarda a sua conclusão no Jardim do Éden. Agarre esse caminho e prepare-se para o debate, porque para tranqüilizá-lo essa é a mesma conclusão final na crença da Sociedade Filosófica Thule.  Um equilíbrio homogêneo esse desenvolvimento - inclusive -, a mistura natural, o principal objetivo da Nova Filosofia Thule. Visto como um "relógio" intrínseco ao indivíduo a partir da diversidade de povos que não exercem muita influência sobre outras nações e comunidades e são, portanto, de algum modo, diferentes do modo natural “sapíens” de sua espécie tornando-se alienados e manipulados, canalizados e multiplicados, que não é da natureza do indivíduo bem como seu equivalente coletivo.

 
· Liberdade autêntica. A liberdade de pensamento, a liberdade do indivíduo e, portanto, a liberdade de ser e possuir sua articulação na aparência, linguagem, comportamento, caráter e crenças, é um dos principais objetivos da Nova Filosofia da Sociedade Thule, que deve ser protegida e preservada.


· Espécies. Em consonância com as exigências atuais e legais para a conservação de espécies no reino animal e vegetal, a sociedade deve ser tratada na conservação etnológica e antropológica e o desenvolvimento de diferentes raças e nacionalidades. Alguns grupos correm perigo, como os aborígines Australianos e os povos indígenas da América do Sul, os Inuit, por exemplo, e os índios da América Latina. Ainda grupos étnicos no interior de algumas nações, como os bascos, Frísios, valões, Silésios, ou Sorbs. Como povos e nações inteiras que desapareceram encobertos pelo descaso mundial. Na Perspectiva da Nova Filosofia Thule, todos esses povos em seus territórios e regiões têm o direito de receber as mesmas oportunidades de desenvolvimento. Livres para expressar individual e culturalmente de forma auto-suficiente sua capacidade de serem reconhecidos e sem discriminação, porque eles estão em minoria, mesmo se ao longo da História chegaram a ser quantitativamente maioria em relação aos outros grupos étnicos, a seus países e as regiões habitadas e cultivadas.

 

 · Reflexão, contemplação e meditação Thule O workshop também incide sobre as genealogias regionais e centrais européias, a sua interpretação e sua derivação para questões em aberto sobre o futuro. A ordem de atitude deve ser incorporada a uma situação individual com suas próprias origens.

 

Uma visão de volta aos antepassados em linha direta, que é a busca do seu verdadeiro “ser” até a origem – isto é, até o primeiro!

Esta reflexão de cada indivíduo com sua própria retrospectiva, o seu "ser", traz o conhecimento da verdade da vida, e ele vê isso através do dom da vida, sob a forma de seus filhos, netos e bisnetos, do destino original no mundo e que a vida não é um instantâneo, mas uma santa vocação de cada um, no passado e no futuro. Para cada homem é tão antiga quanto à própria terra.

 

· Inicio Além disso, devemos considerar que o nascer dos países, das regiões e a distribuição do solo para os grupos humanos e étnicos, contribuíram para prosperar, e desenvolver culturalmente as sociedades. Tem importância vital para a sua natureza, visão de mundo e visão da vida. A região e o meio ambiente, como o clima, montanhas, rios, lagos, fauna e paisagens da forma do ambiente natural, o tipo de homem em sua forma como um indivíduo, e as pessoas como uma comunidade. O destino do indivíduo, bem como o coletivo, também deve ser disposto de uma forma natural. Como no início, o antigo conceito desta liga. O ambiente natural é, portanto, essencial, e acima de tudo um impacto fundamental na alma do povo e a alma individual, e assim por diante características e modo de pensar. Assim, o solo é obrigatório e considerado como uma unidade viva que se sobrepõe e que complementa.
Para compreender as razões acima, precisam se engajar na reflexão da nossa convicção, como um povo, e as comunidades onde a cultura tradicional é oferecida desde tempos imemoráveis, as perspectivas habitáveis na caminhada para, expulsão ou fuga de casa e, portanto, fora do solo superficial de uma questão econômica ou política, ou por razões geopolíticas, ela pode ser prevenida.


· Metafísica. O workshop da Sociedade Filosófica Thule, tem caráter metapolítico e metafísico. É contrária a qualquer monopólio político por parte de terceiros. Não faz diferença valorativa entre pessoas de diferentes etnias e grupos étnicos, como se reproduzisse toda a primavera do mesmo "modelo". Cada grupo étnico, ou de qualquer outro credo tem em mente a diversidade não só de seu privilégio absoluto, mas também sua existência eterna da lei e o direito de seu desenvolvimento. Esta permissão e do direito fundamental associado deve também fora de uma perspectiva global, encontrar o seu lugar na estrutura mundial da Aldeia Global. Cada grupo étnico tem um dom especial, uma missão, um personagem ou um legado para promover o bem de toda a humanidade e além de utilizá-lo, efetuar a preservação e a manutenção desse legado para poder recuperar a missão dos associados para as respectivas populações é uma das preocupações mais prementes da oficina de workshop da Sociedade Filosófica Thule.

 

Essas primeiras palavras – que visam o âmago e o reconhecimento do próprio conhecimento de onde devem derivar ações para seus próprios estilos de vida, alimentando os modos de ação de qualquer sociedade. A tarefa mais urgente e evidente da Nova Filosofia da Sociedade Thule.